quarta-feira, 31 de dezembro de 2008

Cegueira?!

SUGESTAO: PASSA COM O CURSOR, CLICANDO COM O RATO, POR CIMA DO "VAZIO", E IRAS VER PARA ALEM DO ALCANCE...

Com Paulo para um pouco!

Foi nos dias 26, 27 e 28 que um grupo de jovens da catequese, que se “prepara” para fazer o Crisma, aceitou o convite ousado de PARAR!

Aceitou um tempo de convívio, de paragem e de Encontro com Deus. Sim! De Encontro com Deus, pois se nos encontrarmos com Deus, tudo o resto esta assegurado!

A prioridade seria estar com Jesus, experimentar Jesus, parar um pouco nesta vida em que corremos desenfreadamente… Há muitas formas de parar, algumas são drásticas, tal como a de S.Paulo (se ficarmos cegos somos obrigados a parar). Mas, foi-nos proposto que parássemos por opção própria naquele fim-de-semana.

“Vinde comigo para um lugar deserto e descansai um pouco”
O Senhor fala-nos pessoalmente, interpela-nos, desafia-nos, tem um segredo para a vida de cada um. Temos de aprender a escutá-Lo, a deixar que a Palavra entre/ressoe/ecoe! Como e maravilhoso reconhecer os sinais da Presença do Senhor… Ele fala-nos através de pequenos sinais, cabe-nos a nos, VER, INTERPRETAR e RESPONDER! Tal como S.Paulo, deixar-se encontrar!

Nos, jovens que estivemos no retiro, andávamos a procura de Deus… Há tanto tempo que ele nos procura! Para Ele não somos “mais um”! O Senhor projectou a nossa vida. Mais importante do que encontrarmos o Senhor, e deixarmo-nos encontrar por Ele! E como tal, naqueles 3 dias atrevemo-nos a deixar-nos encontrar por Ele, a parar um momento, a questionar-nos onde estamos, se o Senhor vier ao nosso Encontro onde nos encontra, com que medos e duvidas? Que expectativas e motivações temos para o futuro?

“Tenho-te gravado na palma da mão… Para um momento junto a Mim. Com amor eterno junto a Mim. EU SOU O TEU DEUS. TENHO-TE GRAVADO NA PALMA DA MÃO. Não temas... Eu sou o teu Deus e Senhor. Tenho-te gravado na palma da mão…”
Antes de irmos para os quartos onde iríamos passar a noite (dormindo, claro!), batemos a porta da Casa d’Ele, acenamos, e entramos… para ficar!

Não arranjo palavras para “partilhar” o que de seguida aconteceu… Foi sem dúvida um momento de Eternidade, foi sem dúvida um momento fora do Tempo, foi sem dúvida muito mais do que um simples momento! Um Encontro real com Deus subentende mudanças e transformações profundas… “Segue-me” Com esta palavra, o Senhor chamou tantos… O Encontro com Deus e tremendo... porque ele muda-nos por dentro e por fora! Porque nessa altura, conseguimos entender de forma um pouco mais clara os sinais que antes não tínhamos compreendido o sentido… nessa altura as pecas encaixam umas nas outras, e parece surgir a urgência da Resposta! Senti-me inquieta, percebi que Ele já me tinha pedido para O Escutar antes, e que eu simplesmente tinha prosseguido caminho, achando que não era comigo… Que teria “tempo”! Mas ali, parei! Um Encontro com o Senhor muda tudo... e isso pode “transtornar” a nossa vida, os nossos projectos e sonhos! Por isso muitas vezes, preferimos não nos “envolvermos”… Deus marca a vida das pessoas que tem um encontro com Ele, para sempre! O Seu olhar interpela-nos profundamente… temos medo de responder? Sera que acolhemos a Vida que Jesus nos quer dar? A Graca e algo que nos e dado gratuitamente, pela Graca de Deus somos o que somos. A Vida com Cristo mostra-nos a diferenca entre Viver e Sobreviver! Eu quero Viver…

O Sabado comecou, e continuamos a percorrer a Estrada de Damasco, com S.Paulo! Confrontamo-nos com uma realidade tao densa de significado, que quanto mais nos aproximavamos, mais chegavamos a conclusao que faltava muito para la chegar! Busca Incessante…

Da parte da tarde conhecemos varias personagens a quem Jesus mudou completamente a vida, sendo elas, Maria Madalena, um cego, Zaqueu, a Samaritana, Joao, e S.Pedro! Todas elas tinham um ponto em comum, a iniciativa gratuita, amorosa, e livre de Cristo, que fez com que as suas vidas mudassem.

Tambem eu me questionei… Como e que Jesus vai mudando a minha vida? Em tantas pequenas coisas, em tantas pequenas decisoes! Vieram-me tantas coisas a memoria e ao coracao! A primeira foi o meu primeiro retiro com a Congregacao das Servas de Nossa Senhora de Fatima, na Quinta das Tilias.. Em Julho de 2007, na Exposicao do Santissimo ao Ar Livre! Um Encontro Face a Face… “Senhor, Senhor que queres que eu faca?” E tantas outras coisas que vi de forma mais nitida, desde a acontecimentos em Taize, a missa na Igreja de S.Mamede no retiro Intra e Ve, a conversas de autocarro, a palavras de amigos, a opcoes um pouco sem saber a razao, as motivacoes… Mas no fundo tudo tem um sentido.. uma razao de ser!

Antes do jantar, ainda vimos uma apresentacao em power point que me marcou bastante… Era um convite a que experimentassemos “ouvir”! Retirei algumas frases que mais me tocaram:

“Eu chamo. Eu chamo por vos. Bem sei que e uma ousadia da minha parte, talvez
vã e mesmo inoportuna, mas eu devo lancar a minha palavra como Jesus. E direi
mais: esta minha palavra e grave. Vir comigo comporta uma doaccao extremamente
preciosa, a doaccao pessoal de vos mesmos ao Senhor: ela comporta um sacrificio
sem reservas. Eu tenho que ser sincero: Esta minha palavra, que intenta
ser vocacao para vos, e algo invasor e exigente em relacao a vossa pessoa. Por
agora basta-me bradar: Há ai alguem que queira ouvir? No meio do grande barulho
das mil e uma vozes do nosso mundo, existe alguem que se de conta e ouca a minha
voz?”

Na Vida temos tres opcoes:
- Fugir/contornar as situacoes
- Ficarmos a observar com uma atitude de compaixao, mas cruzarmos os bracos.
- Comprometer-nos com a realidade e darmos a vida pela pessoas que necessitam.
Qual escolhes?

Estava chegar o fim do dia… já tinhamos jantado, e fomos convidados a subir ao sotao…
“Experimentamos” a cegueira de S.Paulo, em que estivemos vendados a reflectir sobre tantas vezes em que não vemos o que se passa mesmo ao nosso lado, tantas vezes em que fugimos do Verdadeiro Caminho… Depois de ter estado mais de uma hora “cega”, pedi a uma catequista para me ajudar a prosseguir caminho, a descer todas as escadas, e bati com a cabeca duas vezes (Que dor! Devia fazer parte do esquema! Ahah), entrei numa sala, onde estava o Pe.Filipe. Percebi imediatamente que era ele, pela voz… Depois do momento da reconciliacao, ele retirou-me a venda dos olhos, e estranhei a luz, mas rapidamente me adpatei! Mal esparava eu que os minutos seguintes seriao tao significativos! Conversamos… As palavras ainda ressoam, e para sempre ressoarao… porque foram palavras que poderao mudar tanto! Recordo-me que sai da sala, e disse: “Ena pa!”, e aguardei uns minutos antes de entrar na Capela (precisava de “apanhar ar”!), para me juntar ao resto do grupo!

Acho que fui apanhada “desprevenida” durante a conversa, fiquei sem resposta, e senti-me pequena e fragil. Afinal, sera que eu confiava na voz que ouvia bem ca dentro, ou ainda mais… sera que eu a escutava, ou pelo contrario contornava a questao? Sera que procurava interpreta-la? Sera que estava disposta a responder?
OK! Ali, tinha percebido que estava a “descoberto”!
Confesso que sai da sala um pouco inquieta, leve mas inquieta! Estranha a sensacao, Sim! Inquietude e leveza conferem um estado… estranho! Muito fica por dizer…

Antes de ir para o quarto, muito aconteceu… A ida a cozinha beber o cha, a conversa ao cimo das escadas, a confianca, partilha, e os conselhos!
Que dia… Obrigada Senhor!
Que noite… no Teu regaco!

Domingo, o dia do Senhor! O ultimo dia deste encontro!
Depois da Missa presidida pelo Bispo D.Anacleto, e do almoco, retomamos o momento “curiosidade”, em que fizemos perguntas aos animadores do encontro! Foi bom fazer as perguntas, foi melhor ouvir as respostas! Há sempre perguntas que ficam por fazer, outras respostas que ficam por esclarecer, mas ficou a promessa do dia 30 de Janeiro em S.Mamede!

Por fim, uma palavra de reconhecimento em primeiro lugar ao Padre Filipe que “conduziu” o nosso Encontro, a Irma Mafalda pelas suas palavras doceis e testemunho Cristao. E aos nosso catequistas, pessoas tao importantes que nos ajudam a trilhar este caminho… o caminho da Vida!

Ana Rita
29 de Dezembro de 2008

quarta-feira, 24 de dezembro de 2008

Um Santo Natal... Optimo 2009


"O céu não pertence à geografia do espaço, mas à geografia do coração.
E o coração de Deus, na Noite Santa, inclinou-Se até ao curral: a humildade de Deus é o céu.

E se formos ao encontro desta humildade, então tocamos o céu. Então a própria terra se torna nova.
Com a humildade dos pastores, ponhamo-nos a caminho, nesta Noite Santa, até junto do Menino no curral!
Toquemos a humildade de Deus, o coração de Deus!
Então a sua alegria tocar-nos-á a nós e tornará mais luminoso o mundo.
Amén."

S.S. Bento XVI



Queridos Amigos:

A todos desejo um Natal com muita PAZ e que consigam descobrir o projecto divino para 2009 e “acertar o vosso passo” com Deus, como o pensamento de Stª Teresinha: “Deus pensou em cada um de nós desde toda a eternidade e por amor nos criou. Sobre cada um de nós Ele tem um plano, um projecto, um desígnio de amor que Ele próprio, através do seu Espírito e em colaboração connosco vai realizar. O problema do homem reside em descobrir esse projecto divino, acolhê-lo, acertar o passo e seguir o seu ritmo”. (História de uma alma, 1996, p. 13)


Fica a sugestão de um livro para todos os que pretendam cultivar a simplicidade...
Amiga, Ana Rita

terça-feira, 23 de dezembro de 2008

Outras pontes a construir...

Era uma vez...
.. dois irmãos que moravam em fazendas vizinhas, separadas apenas por um riacho, e que entraram em conflito. Foi a primeira grande desavença numa vida de trabalho lado a lado. Mas agora tudo havia mudado. O que começou com um pequeno mal entendido, finalmente explodiu numa troca de palavras ríspidas, seguidas por semanas de total silêncio. Numa manhã, o irmão mais velho ouviu baterem à sua porta.

- Estou à procura trabalho, disse ele. Talvez você tenha algum serviço para mim.
- Sim, disse o fazendeiro. Claro! Vê aquela fazenda ali, além do riacho? É do meu vizinho. Na realidade do meu irmão mais novo. Nós zangamo-nos e ja não posso suportá-lo mais . Vê aquela pilha de madeira ali no celeiro? Pois, use-a para construir uma cerca bem alta.
- Acho que entendo a situação, disse o carpinteiro. Mostre-me onde estão a pá e os pregos.
O irmão mais velho entregou o material e foi para a cidade. O homem ficou ali cortando, medindo, trabalhando o dia inteiro.
Quando o fazendeiro chegou, não acreditou no que viu: em vez de uma cerca, uma ponte foi construída ali, ligando as duas margens do riacho. Era um belo trabalho, mas o fazendeiro ficou enfurecido e falou:
- Depois de tudo o que lhe contei, como se atreveu a construir esta ponte?
Mas as surpresas ainda não tinham parado. Ao olhar novamente para a ponte viu o seu irmão aproximar-se de braços abertos. Por um instante permaneceu imóvel do seu lado do rio. O irmão mais novo então falou:
- Tu realmente foste muito meu amigo, construindo esta ponte mesmo depois do que eu te disse. De repente, num só impulso, o irmão mais velho correu na direcção do outro e abraçaram-se, chorando no meio da ponte. O carpinteiro que fez o trabalho, partiu com a sua caixa de ferramentas.
- Espere, fique connosco! Tenho outros trabalhos para si. E o carpinteiro respondeu:
- Eu adoraria, mas tenho outras pontes a construir...

Ate um dia destes, amigos! Tenho outras pontes a construir... Todas as nossas gargalhadas estarao sempre na minha memoria... Todas as animacoes e actuacoes...

Chegou a minha hora..de me ausentar por uns tempos.. Voltarei... Esse dia chegara!

domingo, 21 de dezembro de 2008

Talvez já te possa ver nas palhinhas...

Quis abraçar-te. Havia a estrela, e aquela música tão diferente de todas as outras. Havia frio lá fora e tu estavas no aconchego da gruta. Havia ali Reis de joelhos, e todos olhavam para ti, e parecia que nada mais existia senão olhar para ti e querer abraçar-te.
Quis abraçar-te porque eras assim pequeno e sem defesa, e os meus braços me pareciam fortes. Porque me tinham dito que eras Aquele que tínhamos esperado; que eras tu o fruto da grande espera. E que ao abraçar-te se abririam caminhos novos, com cores novas; e que veríamos aquilo que antes não podíamos ver; e que conheceríamos a música que tinha estado escondida durante longos séculos.
Quis abraçar-te e estendi os braços e trouxe-te para o meu regaço. A tua Mãe olhava-nos com um olhar que era de orgulho e de encorajamento.
Abracei-te. E beijei-te. Pareceu-me que queria comer-te com beijos e que isso era possível.
E foi então que sucederam muitas coisas que não esperava. Não tinha conseguido deixar de fechar os olhos, e, enquanto te abraçava, senti que estreitava um corpo que se tinha tornado bem maior. Que suava, que sangrava, que tinha sido golpeado.
Estremeci e abri os olhos. Mas já não havia reis, nem presentes; nem eu te abraçava já. Não se ouvia a música. A gruta tinha-se tornado fria, e nas palhinhas estava deitado um leproso.
Saí, a correr, da gruta. Assustado. Onde estarias? Lá fora, a paisagem tornara-se deserta e o sol queimava. Um abutre esperava a morte de uma criança escura, em extremo magra, que, quase deitada de bruços sobre a terra vermelha, não tinha forças para se mexer.
Onde estarias? Continuei a procurar-te - ou a fugir de tudo aquilo? Andei por muitos lugares. Cruzei-me com homens tristes e crianças ocas. Encontrei uma mulher cujo filho partira havia muito e não voltara; e um velho muito velho a quem não deixavam viver na casa da família que fundara. Vi os doentes e aqueles que, tendo saúde, sofriam por dentro qualquer coisa pior que a doença.
E, na minha correria, pareceu-me não ver na terra alegria nem festas, nem fogueiras nas casas. Embora os homens se agitassem muito em ruído e imitação de felicidade, pareceu-me que eram vazias todas as palavras que diziam. E tive pena deles. Toda a Terra era um mar de sofrimento e disparates. Onde estarias?
Sentei-me então numa pedra à beira do caminho, porque estava cansado e não entendia o que tinha sucedido. Porque precisava de pensar. E compreendi que tinha começado a ver aquilo que antes não podia ver, e que era isso o que me perturbava.
Passou o tempo e ainda aqui estou, sentado na pedra, à beira do caminho. Dói-me a cabeça e apenas consegui obter uma suspeita: talvez suceda que estejas escondido de alguma forma no leproso, nos homens tristes, nos doentes, na criança que sofre. E que, fugindo deles, eu fuja de ti. E que, para te abraçar, eu tenha de os abraçar. Tive este pressentimento porque é sempre com eles que me encontro quando te procuro.
Talvez exista um mistério e seja necessária coragem para o entender. Pode muito bem ser que não tenhas vindo para nos oferecer uma festa com presentes, mas para nos confiar uma tarefa: a mesma que escolheste para ti. Dar a vida pelos outros, não foi?
E se eu fosse, devagarinho, até à gruta? Existe valor em dar um primeiro passo. Se eu partir, talvez se acenda uma luz nesta cabeça que me dói; talvez pelo caminho ganhe coragem; talvez consiga, até, abraçar o leproso. Talvez já te possa ver nas palhinhas...
Paulo Geraldo

Nao tenhas medo, Rita!



” Não tenhas medo, pois Eu estou aqui… é o Teu Senhor quem diz… quero guiar os teus passos. Vem, entrega-te então, farei morada no teu coração.”

“Parece-me sentir a sua mão forte a apertar a minha; parece-me ver os seus olhos sorridentes e ouvir as suas palavras, dirigidas a mim em particular, neste momento: ” Não tenhas medo!”


“Não vos inquieteis quanto à vossa vida…Olhai as flores e as aves do céu … Basta a cada dia o seu problema” (Mt 6, 12-34), “Bendigo-Te, ó Pai, porque escondestes estas coisas aos sábios e entendidos e as revelastes aos pequeninos” (Mt 11, 25), “…E tudo quanto fizerdes, fazei-o em nome do Senhor Jesus…” (Col 3, 17), “… Quando sou fraco, então é que sou forte … Basta-me a Tua graça …” (2 Cor 12, 8-10). No entanto, talvez nos falte ter este conhecimento com os olhos do coração, talvez não tenhamos a humildade para pedir, em cada acordar, a sabedoria do coração, a sabedoria de Deus.


Quanto ao coração: Ah esse tem razões que a própria razão desconhece. (Blaise Pascal)

Boa noite Pai!

Então seremos livres e veremos,
veremos e amaremos, amaremos e daremos graças.
Eis o que acontecerá no fim, sem fim.


Vives-te sob uma tenda durante quase 30 anos... agora habitas a eternidade...
-Boa noite Pai!
-Ola Filho! Deita-te no meu regaco... e descansa em paz... na Minha Paz...

quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

Antes de começar....


«O Boneco: Deixa estar calado o meu coração!...
A Boneca: Dá-me a tua mão!... que eu saiba da tua mão... Que as tuas mãos não sejam as minhas!... que sejam outras mãos como as minhas... As minhas mãos não me bastam... faltam-me outras mãos como as minhas!
O Boneco: É assim que bate o coração...

A Boneca: Dá-me a tua mão!... que os nosso corações sejam a repetição um do outro como é justo!... que as tuas mãos me tragam destas, me tragam paz... paz que se ganha!... (Pausa.) Dá-me as tuas palavras!... essas que tu guardas... essas palavras que não morrem, nem se matam!... essas que lembram o mar... o mar que nunca pára... o mar que não se cansa... o mar que insiste... o mar que não se gasta.
O Boneco: Cala-te coração! Deixa ouvir o mar...
A Boneca: Tu também viste o mar?
O Boneco: O mar foi feito por nossa causa!...
A Boneca: Ah!... É assim, juro-te, exactamente assim o mar... Oh! como tu o viste bem! Dá-me a tua mão p'ra ser tão grande o silêncio... (Pausa.) O mar!... não acaba nunca o mar!...
O Boneco: O mar começa sempre...
A Boneca: É como o coração dentro de mim!... E nunca sai do peito o coração!
O Boneco: Pode mudar-se o coração?...»

Almada Negreiros

sábado, 13 de dezembro de 2008

Futuralia 2008

"Para sonhar o que poucos ousaram sonhar.
Para realizar aquilo que já te disseram que não podia ser feito.
Para alcançar a estrela inalcançável.

Essa será a tua tarefa: alcançar essa estrela.
Sem quereres saber quão longe ela se encontra;
nem de quanta esperança necessitarás;
nem se poderás ser maior do que o teu medo.
Apenas nisso vale a pena gastares a tua vida.

(...)

Não medirás as tuas forças.
O anjo do bem te levará consigo, sem permitir que os teus pés se magoem nas pedras.
Ele, que vigia o sono das crianças e coloca nos seus olhos uma luz pura que apetece beijar, é também guerreiro forte.
Verás a tua mão tocar rochedos grandes e fazer brotar deles água verdadeira.
Olharás para tudo com espanto.
Saberás que, sendo tu nada, és capaz de uma flor no esterco e de um archote no escuro."



"Veni, vidi, vici "


Obrigada a todos os que de certa forma marcaram a ida a Futuralia... Obrigada a mao que sinalizou a esperanca, permitindo-nos realizar aquilo que nos tinham dito que nao podia ser feito, a mao que levantou quem tinha caido, levando-o a atingir a estrela inalcancavel... a mao de solidariedade que permitiu que os pes nao se magoassem na pedras, e por fim a doce mao que apontou o ceu, fazendo-me olhar para tudo com espanto... Espanto de quem para alem de ver, compreende! Compreende e ama... Ama e Sorri! Sorri e Vive!


Como e possivel que um dia aparentemente "normal" (como se houvesse dias ditos normais!), seja tao "grande", comporte tantos momentos unicos... Tantas emocoes... E, por sorte (como se esta existisse!), ainda me ofereca um mp3 e um mp4 =D

sexta-feira, 12 de dezembro de 2008

PARABENS AVO^!

"Navega, descobre tesouros,
mas não os tires do fundo do mar,
o lugar deles é lá.

O sorriso!
Esse deves segurar,
não o deixes ir embora, agarra-o!

Não importa se a estação do ano muda,
se o século vira, conserva a vontade de viver,
não se chega a parte alguma sem ela.

Abre todas as janelas que encontrares e as portas também.
Persegue o sonho, mas não o deixes viver sozinho.
Alimenta a tua alma com amor, cura as tuas feridas com carinho.

Se achares que precisas de voltar atrás, volta!
Se perceberes que precisas seguir, segue!"
Excerto do poema "Navegar", do grande Pessoa =D


Um grande beijinho para o melhor avo^! PARABENS neste dia especial!
Obrigada por tudo, CAPEL!

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

Onde me sinto em casa


Promessa....


Chamo-te...


Chamo-Te porque tudo está ainda no princípio
E suportar é o tempo mais comprido.


Peço-Te que venhas e me dês a liberdade,
Que um só dos Teus olhares me purifique e acabe.
Há muitas coisas que eu quero ver.
Peço-Te que sejas o presente.
Peço-Te que inundes tudo.
E que o Teu reino antes do tempo venha.
E se derrame sobre a Terra
Em primavera feroz precipitado.


Sofia de Melo Breyner Andresen



Sinto-me cansada.. cansadissima.. de um cansaco cansadissimo issimo issimo...

Nao vou falar das grandes coisas que aconteceram hoje... estao guardadas na Caixinha, e la permanecerao... serao como pedras num charco... produzindo ondas que se expandem por varios metros, tentando fazer do mundo um sitio mellhor para se viver...

segunda-feira, 1 de dezembro de 2008

CM...


Eu queria trazer-te uns versos muito lindos

colhidos no mais íntimo de mim...

Suas palavras

seriam as mais simples do mundo,

porém não sei que luz as iluminaria

que terias de fechar teus olhos para as ouvir...

Sim! Uma luz que viria de dentro delas,

como essa que acende inesperadas cores

nas lanternas chinesas de papel!

Trago-te palavras, apenas... e que estão escritas

do lado de fora do papel... Não sei, eu nunca soube o que dizer-te

e este poema vai morrendo, ardente e puro, ao vento

da Poesia...

como

uma pobre lanterna que incendiou!


Mario Quintana (Quintana de Bolso)

domingo, 30 de novembro de 2008

Emocoes...

Bem.. que turbilhão de emoções!!

Queria ter escrito este texto antes, acerca de tantas coisas que tem acontecido, de tantas palavras que dizem muitas coisas, de tantos olhares que podem valer mais do que mil palavras, de momentos que nos fazem esquecer que existe o mundo lá fora, pessoas cujos gestos parecem sinais guiando-nos pelo caminho, cujos toques parecem estremecer o nosso coração, em que certos detalhes nos dão a certeza de serem pessoas especiais. Pessoa que deixam lembranças para todo o sempre…

Em primeiro lugar, o meu contentamento em relação ao teatro “O Sentido da Vida”. Obrigada por terem aceitado o grande desafio de a representar para a comunidade escolar… Tantas coisas que ficam por dizer… Tantas emoções que ficam por transmitir… (“Apenas um beijinho” ahah)

Em segundo lugar, uma nota de boas-vindas aos novos leitores do Blog… parece que vários curiosos =D me encontraram na blogosfera! Desde já, voltem sempre!

Em terceiro lugar, um beijinho para um novo “leitor” muito especial: CAPEL! Aguardo ansiosamente novas e bela palavras! Obrigada pelos belos poemas!

Em quarto lugar, menciono a maravilhosa aula… Aquela aula, e não uma aula… Aquela pessoa, e não uma pessoa… Aqueles debates, e não um debate… Aqueles sorrisos, e não um sorriso… E tantas outras coisas… “Sei em quem acreditei” e a "coincidencia" da uniao pelo cantico entoado no mesmo dia... minutos depois!

Em quinto lugar, não poderia deixar passar a Noite de Oração de Taize, organizada pelos jovens, em S.Mamede, na passada sexta-feira! A chama jamais se apagara! Momentos de eternidade…

E, uma frase neste momento, importantíssima… “TUDO tem o seu tempo determinado, e há tempo para todo o propósito debaixo do céu; Porquanto há uma hora certa e também uma maneira certa de agir para cada situação” (Eclesiastes 3:1 e 8:6)
E ainda havia tantas outras grandes coisas para falar... mas que ficam para a proxima..pelo adiantado das horas...

segunda-feira, 17 de novembro de 2008

fala(r) diferente...

"Foi há muitos anos que começámos a falar. Aprendi a concentrar-me em sentir para ouvir esse tom baixinho, doce.

Um dia perguntaram-me como eram as nossas conversas. Disse que não falávamos… Eu tentava, mas adormecias-me primeiro. Durante anos que achei que me seguias… olhava para trás e podia jurar que aqueles passos não eram só meus. Depois deixaste-me perceber que afinal caminhavas primeiro… e todo o caminho era nosso.

Com o tempo teimei que queria falar… que me ouvisses melhor. E acredito que até tenhamos sido capazes.

Ontem, mais uma vez, nenhum de nós dormiu… mas parece que só eu falei. Diluí tudo no nosso silêncio diferente… Não consegui segurar uma só palavra nossa. Esgotei-me nelas… e no medo deste rezar simples. Já não sei mais que dizer…

Ensina-me a falar mais ao Teu jeito… fala agora Tu, por favor."


Porque o prometido foi devido... um sorriso sincero de retribuicao...

Foi muito importante para mim =D

A Graça das Cores =)

Depois, do acontecimento de sexta-feira (em que bloqueei completamente numa prova de Matematica, devido ao cansaco, cansadissimo, issimo, issimo....) nao poderia de qualquer maneira, deixar de escrever um texto dedicado a uma GRANDE pessoa... Quando for grande (se algum dia chegar la!), quero ser como ELA!

“Chegava como uma iluminação. A palavra que trazia era sempre um desafio que, em vez de respostas, explodia em interrogações e novos caminhos. O mundo de que ela falava era diferente daquele que eu olhava. Conheci dessa forma a distinção entre olhar e ver, compreendo quanto nos escapa ao ficarmos pela superfície das coisas. Pela sua mão, a vida tornou-se poliédrica e sem verdades absolutas. Com a única certeza de que a indiferença cavalga a alma como um deserto.
Tudo nela era surpresa e reinício: quando julgávamos ter encontrado um caminho, trazia-nos novas inquietações que obrigavam a retomar passos e outros passos. Trazia-nos também outras vozes, outros pensamentos, um mundo redondo que não era apenas uma fatia servindo a minoria para explicar tudo o resto.
De tudo isto ela nos falava em incisivas palavras que corriam em nos como rio alagando a terra seca. As vezes, a água ficava a tona dos pensamentos e só muito lentamente nos envolvia.
E quando não sei o caminho, penso nela, e acho que ele surgira debaixo dos meus passos desde que a inquietação nunca se esgote."


Agradeço todas as cores que usa.... e usou naquele momento um pouco sem cor....

sexta-feira, 7 de novembro de 2008

Nada...

Deus, sendo o criador de tudo a partir do nada, e também o autor não apenas de tudo aquilo que existe no tempo, mas também do próprio tempo. Deus, enquanto Criador, esta acima da coisa criada e portanto, neste caso, o tempo e eterno. Mas, o que e o tempo? Certamente a realidade do tempo não e nada permanente. O passado e passado porque já não existe, o futuro e futuro porque ainda não existe; e se o presente fosse sempre presente e não se transformasse sempre em passado, não haveria tempo, mas sim eternidade. Apesar deste fluir continuo do tempo, o homem consegue medi-lo e por isso pode falar-se de um tempo curto ou longo, de um passado ou de um futuro. Segundo Agostinho, e na alma, ou seja na mente, que mede o tempo. Não se pode certamente medir o passado que já não existe, ou o futuro, que ainda não é; mas o homem conserva a memoria do passado e mantém-se a espera do futuro. O presente, por seu lado, pelo próprio facto de o ser, carece de duração e num instante o momento presente converte-se em passado, persistindo na alma a atenção pelas coisas que foram fugazmente presentes.
Pensamentos de Santo Agostinho

Bem Vs Mal

Bem, nao poderia deixar passar este "grande" dia, sem colocar o seguinte texto...
Cansada de repetir que "Nada acontece por acaso", tive um dia cheio de grandes coincidencias =D (como se tivessem sido coincidencias!)
Depois de uma daquelas maravilhosas aula (que toda a gente deveria e gostaria de ter!), e de uma hora de almoco em que continuei a pensar nos assuntos falados em aula, apareceu-me uma amiga com um livro que eu ja tinha anteriormente lido, e que ela tem que ler para a disciplina de Filosofia. Falo-lhe brevemente acerca do livro, abro numa pagina "ao acaso", e leio o paragrafo do meio! Claro que fiquei estupefacta, quando me deparo automaticamente com as palavras "bem" e "mal" (o tal tema que nao me largava)! Devorei aquele paragrafo, com o entusiasmo proprio de quem procura chegar a "VERDADE" (como se esta fosse possivel de alcancar, atraves de um paragrafo =D)!
Escusado sera dizer, que o tema continuou o dia todo a pairar...
Quando acabei as aulas, acompanhei uma amiga ate a Biblioteca Municipal, e decidi ficar la algum tempo... Como que por instinto, dirigi-me a prateleira de Filosofia/Religiao e requisitei tres livros, que me pareciam falar sobre o tema sobre a qual eu tanto queria ficar "esclarecida"...
Ainda mais escusado sera dizer, que depois de ter estado na biblioteca ja "gastei" horas a pensar sobre o assunto... E so nao continuo porque o "mundo" chama-me!
Em baixo, o texto de uma parte da reflexao...

Deus nao quis o mal moral em nenhum sentido, mas apenas o permitiu devido a um bem maior que aquele que se poderia alcancar impedindo-o, ou seja, nao tornando o homem livre.
Embora Deus nao quisesse o mal fisico enquanto tal, pode dizer-se que quis determinados males fisicos em proveito da perfeicao do universo.
Deus é o Ser e Bem Supremo. Se Deus é o bem, e o mal é o seu contrario e se Deus é o ser, o contrario do ser é o nao-ser, como tal, é impossivel que exista alguma coisa contraria a Deus, porque qualquer contrario seria um nao-ser. Deste modo, o mal nao é uma entidade, é simplesmente, ao ser uma privacao do bem, uma privacao do ser.
"O mal é aquilo que renuncia A essencia e tende para o nao-ser (...). Tende a fazer aquilo que é cessar de ser."
Ou seja, quem se ve privado de todo o bem, nada é, e se é algo, é porque é bom. O mal nao pode ser uma substancia, pois se o fosse, seria boa.
"o bem que existe em mim é obra Tua, um dom Teu, e o mal que ha em mim é o meu pecado" Santo Agostinho
Na expectativa de novas opinioes,
com um beijinho
Ana Rita

terça-feira, 4 de novembro de 2008

Atir Coragem Oirobil

Este texto nao foi escrito por mim, mas poderia ter sido... Neste momento, repito-o palavra a palavra, e passo um traço por cima do que realmente escrevi "Omenare"! Este, e o novo sentido dado ao meu antigo texto "Omenare" (e que sentido!), um novo olhar sobre as minhas palavras (e que olhar!)...
O autor deste texto e um Anjo, que me vai trazendo rumores quase silenciosos que do mar saiem...

"O meu coração bate... consigo sentir o seu bater no meu peito... é muito forte.
Poderia ser uma tristeza sorrateira, mas é algo que é difícil de descrever... parece esperança, alegria.
Sinto uma enorme vontade de chorar... “e as palavras saem de repente, como quem quer freneticamente” recomeçar.
Este sentimento de esperança leva a que dos meus olhos caem lágrimas sem fim.

Choro de alegria...
Choro mesmo que “os olhos doem de outros dias”.
Choro “porque me sinto”.
Choro porque a alegria também chora.
Choro porque posso chorar.

Posso escolher as palavras.
Posso escrever recomeçar porque agora, como nunca, desejei tanto recomeçar.
Posso escrever recomeçar porque me sinto.
Posso escrever recomeçar porque noutros olhos estaria o acreditar.

Posso e quero... recomeçar (?!).

O coração fica pacificado e a minha alma se alegra com os pontos finais que nas minhas frases são colocados pela mão de Deus, antes frases soluçadas no silêncio. Perguntas sempre vão existir, triste o dia em que nada mais tiver a questionar ou a despertar surpresa na minha vida... graças dou pelas respostas, mesmo poucas, a essas minhas interrogações.
O silêncio e a paz de Deus instalam-se em mim... o desejo de recomeçar leva a que cresça em mim a serenidade necessária para continuar a caminhar. Recupero as forças... ressurge O sinal do outro lado antes perdido, naquela manhã e naquela noite... agora estão diferentes, têm um novo brilho, há o sol, a lua e as estrelas... O sinal regressou. Já O consigo ver com melhor nitidez... Há esperança... não só desejo recomeçar, como quero e nada me irá demover... quero e vou recomeçar confiante de que nunca caminho só.

Acredito que o tempo recupere as palavras perdidas, a pontuação, o sentido do meu agora, do meu amanhã... com Aquele que me conforta sei que sempre vou caminhar e conseguir...

Por isso também “adopto” o nome do meio ...Coragem!

Atir Coragem Oirobil"

sábado, 1 de novembro de 2008

Ate...!


O caminho e longo, mas nao desistam....

Como te disse hoje (sorrindo, mas contendo as lagrimas!), as Rita's sao "Fortes"!

Tudo ira acabar bem...

Quando o tombo é grande e o medo de sonhar tão alto é enorme, lá está a Fé, que sempre cautelosa, não cai e alimenta a vontade de mais um sonho e a coragem de lutar
até ao fim.
Morrer com dignidade E ainda uma parte da vida e nao se realiza se simplesmente for suprimida.

Omenare...


Foi exactamente agora que o meu coração começou a bater mais forte. Não, não é qualquer tipo de alegria sorrateira. É a tristeza escancarada. Mas não posso chorar… e as palavras saem de repente, como quem quer freneticamente escrever fim.

Não posso chorar. Não posso chorar porque os olhos doem de outros dias. Não posso chorar porque (não) sinto. Não posso chorar porque noutros olhos estaria a exagerar. Não posso chorar porque a dor já não se chora. Não posso chorar porque não posso chorar. Mas as palavras não escolhem. Não posso escrever fim porque até agora não lutei assim. Não posso escrever fim porque (não) sinto. Não posso escrever fim porque noutros olhos estaria a exagerar.

Não posso ou não quero… desistir (?!).

E o coração não acalma e a alma já chora e os pontos finais caem em cima das frases soluçadas no silêncio. E as perguntas não param e as respostas não falam e a única resposta não existe. O silêncio instalou-se, o desconforto grita e a mão treme e pede calma. Acabam-se as forças e o tempo, o tempo das forças e a força do tempo. Já não há sinal de um outro lado, daquela manhã diferente depois da noite tão igual. Já não há sinal… Mas ainda há esperança que não devia haver. Ainda há tempo eternizado nas recordações do coração.

Pode o tempo roubar-me as palavras, a pontuação, as lágrimas e a esperança, mas as recordações não.


Talvez devesse, mas não deixo.

quarta-feira, 29 de outubro de 2008

"So Tu"


Quando um lápis, uma folha e uma guitarra se unem na profunda e visível "banalidade" de ansiar ser (mais) feliz.

Preciso d'alguém que me diga "Estou aqui"
Preciso d'alguém que me ouça no silêncio
Preciso d'alguém que me veja como sou
Preciso d'alguém que me toque no meu ser

Preciso, preciso de Ti
Porque só Tu me fazes acreditar
Preciso, preciso de Ti
porque só Tu me guias no andar

Preciso de quem perdoa os meus erros
Preciso de quem espera sempre mais
Preciso de quem ousa conquistar-me
Preciso de quem me ensina a amar

Preciso, preciso de Ti
Porque só Tu me fazes acreditar
Preciso, preciso de Ti
porque só Tu me guias no andar

segunda-feira, 27 de outubro de 2008

"... continuidade das coisas que amamos..."

Parar porque é preciso.
Pensar porque a razão, às vezes, tem de ser derrotada.
(A)prender porque dos outros há sempre algo que nos "pertence".
Sentir porque se partilha muito para além do que se vê.
Viver porque a Vida é o único ciclo que conheço sem fim...
Ser feliz... porque... Ele dá sentido à eternidade.


"Sabes, quem não acredita em Deus, acredita nestas coisas, que tem como evidentes. Acredita na eternidade das pedras e não na dos sentimentos; acredita na integridade da água, do vento, das estrelas. Eu acredito na continuidade das coisas que amamos, acredito que para sempre ouviremos o som da água no rio onde tantas vezes mergulhámos a cara, para sempre passaremos pela sombra da árvore onde tantas vezes parámos, para sempre seremos a brisa que entra e passeia pela casa, para sempre deslizaremos através do silêncio das noites quietas em que tantas vezes olhámos o céu e interrogámos o seu sentido. Nisto eu acredito: na veemência destas coisas sem princípio nem fim, na verdade dos sentimentos nunca traídos. E a tua voz ouço-a agora, vinda de longe, como o som do mar imaginado dentro de um búzio. Vejo-te através da espuma quebrada na areia das praias, num mar de Setembro, com cheiro a algas e a iodo.E de novo acredito que nada do que é importante se perde verdadeiramente. Apenas nos iludimos, julgando ser donos das coisas, dos instantes e dos outros. Comigo caminham todos os mortos que amei, todos os amigos que se afastaram, todos os dias felizes que se apagaram.


Não perdi nada, apenas ilusões de que tudo podia ser meu pra sempre."
(Miguel Sousa Tavares)


Sem ilusões, nem desilusões... Um sorriso... Um Obrigada.

terça-feira, 21 de outubro de 2008

Tudo.. e nada

E quando tudo o que fazemos não é suficiente?
E quando tudo o que fazemos é tudo o que podemos fazer?
E quando tudo o que fazemos é por quem gostamos muito?
E quando tudo o que fazemos é por quem queremos felizes?
E quando tudo o que fazemos, por quem gostamos muito e queremos felizes, é tudo o que podemos fazer e não é suficiente?

Vazio(s)

Talvez hoje não devesse escrever... Talvez amanha ficasse mais bonito, mas talvez só mudassem as palavras.
As únicas palavras que não mudam, que permanecem no eco e no chão da alma são aquelas que foram pensadas, calculadas e ensaiadas... aquelas, que mesmo profundamente injustas, são ditas... gritadas... repetidas.
Sabe-se que vão magoar... ferir o mais profundo e inquestionável sentimento, mas talvez seja esse o objectivo.
Pedem aquilo que sempre tiveram e foram, mas impõem maneira de ser.
Sentem-se sós, vagas, vazias de sentido real... Exigem que outras tantas assim se juntem e pareçam verdadeiras.
Foram assim as palavras. São assim as pessoas a que pertencem.

sábado, 18 de outubro de 2008

ACREDITAR E AGIR

Um viajante caminhava pelas margens de um grande lago de águas cristalinas e imaginava uma forma de chegar até o outro lado, onde era o seu destino.

Suspirou profundamente enquanto tentava fixar o olhar no horizonte. A voz de um homem de cabelos brancos quebrou o silêncio momentaneo, oferecendo-se para transportá-lo. Era um barqueiro. O pequeno barco envelhecido, no qual a travessia seria realizada, era provido de dois remos de madeira de carvalho.

O viajante olhou detidamente e percebeu o que pareciam ser letras em cada remo. Ao colocar os pés empoeirados dentro do barco, observou que eram mesmo duas palavras.

Num dos remos estava escrita a palavra acreditar e no outro agir.

Não podendo conter a curiosidade, perguntou a razão daqueles nomes originais dados aos remos. O barqueiro pegou no remo, no qual estava escrito acreditar, e remou com toda força. O barco, então, começou a dar voltas sem sair do lugar em que estava.

Em seguida, pegou no remo em que estava escrito agir e remou com todo o vigor. Novamente o barco girou em sentido oposto, sem ir adiante.

Finalmente, o velho barqueiro, segurando os dois remos, movimentou-os ao mesmo tempo e o barco, impulsionado por ambos os lados, navegou através das águas do lago, chegando calmamente à outra margem.

Então o barqueiro disse ao viajante: - Este barco pode ser chamado de autoconfiança. E a margem é a meta que desejamos atingir.

- Para que o barco da autoconfiança navegue seguro e alcance a meta pretendida, é preciso que utilizemos os dois remos ao mesmo tempo e com a mesma intensidade: agir e acreditar.

E tu? Estás a remar com firmeza para atingires a meta desejada?
E, antes de movimentares o barco, verifica se os remos não estão corroídos pelo ácido do egoísmo.
Depois de tomares todas essas precauções, segue em frente e boa viagem.


Eu ja segui....

quarta-feira, 15 de outubro de 2008

:This is the END... Sera?

“Ainda pior que a convicção do não
é a incerteza do talvez, é a desilusão de um quase.”

Uma das mais conhecidas fábulas infantis, 'Alice no País das Maravilhas' conta a história de Alice, uma menina que segue um coelho branco até a sua toca e, de lá, embarca numa emocionante aventura.
No decorrer da viagem, Alice encontra muitos caminhos que seguem em variadas direcções. Em dado momento, ela perguntou a um gato sentado numa árvore: 'Podes dizer-me qual o caminho que devo seguir?' O gato respondeu: 'Isso depende muito para onde tu queres ir'. Alice disse, atónita: 'Eu não sei, e também não me importo para onde vou'. O gato, então, respondeu sabiamente: 'Sendo assim, qualquer caminho serve'.
Moral da história: 'Quem não sabe para onde vai, qualquer caminho segue, e nunca chegara '.


Há uma grande incerteza quanto ao futuro. Não por não sabermos o que fazer, mas sobre o rumo que as coisas tomarão após as nossas decisões. O momento de "resolver as coisas" talvez tenha chegado mais cedo do que o esperado.
Estou decidida (estarei mesmo?) a seguir as placas de sinalização… Irei (irei mesmo?) realizar a minha tarefa, alcançar (alcançarei mesmo?) os meus objectivos sem saber quão longe se encontram, nem de quanta esperança necessito, lutarei (lutarei mesmo?) pelo bem sem descanso e sem cansaço, partirei para longe (partirei mesmo?) talvez sem sair do meu lugar. Vencerei (vencerei mesmo?) o medo. Não medirei as minhas forcas! Não irei permitir que os meus pés se magoem nas pedras. Saberei que, sendo eu nada, serei capaz (serei mesmo?) de uma flor no esterco e de um archote no escuro.
E, subitamente, em ondas mansas ou rápidas, emerge a necessidade de uma mudança. Nasce do mais íntimo de mim, ou talvez o mundo exterior me tenha colocado frente a frente com ela.

Então, permanecem os medos e as dúvidas; em seguida, vira (vira mesmo?) a convicção e a força.
Finalmente, se vencer os obstáculos: a alegria de um novo amanhecer!

Não importa como e o lugar onde estou, ou por qual caminho irei seguir..importa sim como irei seguir esse caminho, e como serei nesse lugar.

“Visão sem ação não passa de um sonho.
Ação sem visão é só um passa tempo.
Visão com ação pode mudar o mundo.”

Porém, é bom saber que a escolha é acompanhada de uma renúncia.

Sera o fim?

PS- Há muito que um texto não custava tanto a sair… Hoje, véspera de uma grande (ou não!) decisão, “Só sei que nada sei!” Não sei que caminho tomar, não sei se devo arriscar… Mas como alguém diz: "Mais vale uma má decisão que uma indecisao"

domingo, 12 de outubro de 2008

"A jornada fica bem mais interessante quando temos um abraço afectuoso para oferecer"

“procura as pessoas "perdidas" que por lá estiverem porque sei que que tu, em especial, "tens um abraço afectuoso para lhes oferecer"

linda ana, tu és tudo de bom, tudo de coração e de amor. não te deixes cegar pelas convenções porque tu vais para além delas e irás muito longe na tua caminhada, na "aventura da tua vida" se as olhares e as souberes interrogar com esse teu sorriso de compreensão, de quem com 15 anos já percebia mais da vida que outros com 40; porque também a idade é uma convenção, uma medição moderna, outra norma que racionaliza e nos baralha.

sei que Deus, o Verdadeiro Deus, -não aquele que eu via e sentia nas missas -, está contigo e há-de acompanhar-te para o resto da tua longa jornada

ah... e não penses que estou maluquinha da cabeça. “olha, ela flipou!” não, amiga, há dias assim, dias, como o de hoje em que acordei diferente de ontem mas igual a mim mesma
e hoje vou visitar a minha avó que tem 93 anos. já viste que dia mais maravilhoso?!"


Sem duvida que a jornada se torna bem mais interessante, quando existem pessoas capazes de oferecer...
Hoje, confio-te nas maos de Deus!

domingo, 5 de outubro de 2008

Feliz DIA DO PROFESSOR!

Hoje, Feriado 5 de Outubro, também se comemora o dia Internacional do Professor (um dia especial no calendário)!

O sonho de ensinar, a vontade de dividir, e a esperança de vencer, tornaram-vos um dia professores! E como sonharam um dia, ensinaram desde o inicio a equacionar a vida, dividir sentimentos, somar conhecimentos, multiplicar sonhos e esperanças, e ate a resolver problemas de sonhos quebrados e compreensões não entendidas.

Que tenham passado um bom dia, e um agradecimento especial para todos vos! Que tenham sempre coragem de ser HEROIS, mesmo que INVISIVEIS!

5 de Outubro 2008






Hoje, foi possível satisfazer a minha pequena curiosidade de entrar no Palácio da Presidência da Republica, juntamente com o Senhor Presidente Cavaco Silva e sua Família!

sábado, 4 de outubro de 2008

GTATV

Esterco do Xo Vitor, da melhor calidade! (Manhã mais do que cómica! ahah)

quinta-feira, 2 de outubro de 2008

I'm Yours!


A Andorinha passou e disse:
"Gosto muito de ti, Rita!"
E os meus olhos desfizeram-se em lagrimas...

A Andorinha sorriu e disse:
"Es a melhor pessoa que conheci este ano!"
E eu suspirei...

A Andorinha, ao sabor do vento, passou e disse:
"Dou-te muito valor!"
E eu soltei uma exclamacao...

A Andorinha piscou-me o olho e disse:
"Tens um grande coracao!"
E o meu pequeno coracao, sorriu de alegria...

A Andorinha, ficou e abracou-me!
E os meus sonhos, tornaram-se realidade...

segunda-feira, 29 de setembro de 2008

Rita...

“Rita, só espero nunca te desiludir!”

Há frases que ressoam durante algum tempo, ate que mais tarde voltam a ser proferidas por outro alguém, ganhando cada vez mais significado…

Há quem diga, que só nos podemos desiludir quando criamos ilusões… Será mesmo assim?

“Pedi, e ser-vos-á dado; procurai, e encontrareis; batei, e hão-de abrir-vos. Pois, quem pede, recebe; e quem procura, encontra; e ao que bate, hão-de abrir.” Mt7:7-11

domingo, 28 de setembro de 2008

Crise de Identidade...

Alguma vez vos aconteceu interromperem tudo o que estão a fazer, e sem saber porque, agarrar num papel, e numa caneta, e dirigir uma carta a alguém?

Escrevem, escrevem e continuam a escrever…e no final de tudo, contam as páginas, lêem o teor da mensagem, e não se reconhecem a vocês próprios!

E no fim, era uma vez uns trabalhos de Economia que vão ficar para o almoço de amanha…

A vossa opiniao tambem conta!

Por mais que pense, e volte a pensar...
Pelas coisas que acontecem (e tambem pelas que nao acontecem!), concluo que...

Enfim, estou aberta as vossas opinioes!


Sera que as coisas acontecem por acaso, ou pelo contrario tudo tem um sentido? Ja esta predestinado o nosso dia de amanha? Para quem acredita em Deus, Ele sabe tudo o que vamos fazer? Para quem nao acredita em Deus, as nossas accoes sao puramente aleatorias? Estara o nosso agir predeterminado, ou seremos, pelo contario, seres completamente livres de optar, e fazer o que bem entendemos? Existem coincidencias? Existe o acaso? Existe a liberdade, ou somos seres condicionados por algo, ou Alguem?

Aguardo as vossas partilhas, prometo que tambem darei a minha!

Entao, deixaste comentario? Sim?! Eu sabia que ias arriscar! Obrigada!!!

EMERGENCIA :)

Hoje, quero deixar alguns telefones de emergência, que nalguma altura vos poderão ser úteis!
Talvez substituam o 112, ou ate a voz de um amigo...


Quando estiveres triste, liga João 14.

Quando outras pessoas falarem de ti, liga Salmo 27.

Quando estiveres nervoso, liga Salmo 51.

Quando estiver preocupada, liga Mateus 6:19,34.

Quando estiveres em perigo, liga Salmo 91.

Quando Deus parecer distante, liga Salmo 63.

Quando a tua precisar de ser activada, liga Hebreus 11.

Quando estiveres solitário e com medo, liga Salmo 23.

Quando fores áspero e crítico, liga 1 Coríntios 13.

Para saber o segredo da felicidade, liga Colossenses 3:12-17.

Quando te sentires triste e sozinho, liga Romanos 8:31-39.

Quando quiseres paz e descanso, liga Mateus 11:25-30.

Quando o mundo parecer maior que Deus, liga Salmo 90.

Anota na tua agenda, um deles pode ser IMPORTANTE a qualquer MOMENTO da tua VIDA!!!

sexta-feira, 26 de setembro de 2008

Palavras...

Este texto e dedicado as pessoas que através de certas palavras dizem muitas coisas, trocam olhares que podem valer mais do que mil palavras, proporcionam momentos que nos fazem esquecer que existe o mundo lá fora, pessoas cujos gestos parecem sinais guiando-nos pelo caminho, cujos toques parecem estremecer o nosso coração, em que certos detalhes nos dão a certeza de serem pessoas especiais. Pessoa que deixam lembranças para todo o sempre. As vezes sinto dificuldade de expressar nas palavras aquilo que sinto, a gratidão em relação a certas pessoas, o quanto importantes são para mim… As vezes acelero o ritmo das palavras, talvez como defesa… e depois, chego a conclusão que mais vale um silencio certo do que uma palavra errada. Mais vale demorar tempo no que temos de dizer. E mais fácil arrependermo-nos de uma palavra do que de um silencio.

Quem e que ainda não teve vontade de ser um herói? Eu descobri que somos heróis imortais, se pudermos deixar algo que para que se lembrem sempre de nós. Se a nossa história puder ecoar sempre entre as pessoas, soando como exemplo, saltitando em cada coração, mesmo que se esqueçam do nosso nome.Somos heróis quando causamos um sorriso num rosto amigo ou desconhecido, quando não desistimos de algo ou quando somos capazes de reconhecer que o caminho que seguimos é um caminho errado. Quando uma lágrima fria desce da nossa face, avisando que estamos comovidos com alguém ou por alguém, ou se simplesmente choramos, também somos heróis. Somos heróis ao dar um abraço forte a um amigo. Somos heróis quando expressamos os nossos sentimentos, quando somos verdadeiros neste mundo cheio de meias verdades. Somos heróis quando num momento certo, dizemos uma palavra certa ou simplesmente marcamos a nossa presença.


Conheço pessoas que são verdadeiros heróis! Neste ano lectivo, (tal como noutros já passados!) tenho professores que são verdadeiros heróis! A vontade de lhes dizer e muita… que os admiro e que não deixem de ser como são! Que tenham a coragem de trilhar os caminhos por vezes tortuosos da falta de valorização! Que são heróis, por vezes heróis invisíveis, mas não deixem de ser HEROIS! Obrigada, e bom ver que ainda existem profissionais empenhados, mas acima de tudo pessoas com sentimentos, pessoas que são PESSOAS! Devo a alguns o agradecimento que nunca proferi, pelos sorrisos nos momentos certos, pelas conversas de intervalo, pelos pequenos gestos com tanto significado, pela confiança depositada, e pelos receios partilhados… Um dia, irei agradecer-vos pessoalmente por tudo isto, dizer individualmente o quanto especiais são… Ate lá, vou retribuindo!

Guardo algumas das vossas frases (todas foram ditas por algum professor especial…) :
- Se estiver certo, óptimo! Se não estiver certo, óptimo, óptimo, óptimo! (Nunca será esquecida a entoação única com que esta frase foi proferida, e muito menos o impacto a terceiros…)
-
Nada tem tanta importância!
- Danço consoante a música!
- Como e que eu vos posso ensinar a fazer lampreia de ovos, se vocês nãos sabem partir um ovo?
- A Guerra faz sentido para manter a paz.


Bom, nestes momentos exactos, um acto heróico cruzou as barreiras do tempo e é assim que cruzaremos as estradas da vida…

terça-feira, 16 de setembro de 2008

Bom Ano Lectivo!

Um novo Ano Lectivo aproxima-se!
Somos Chamados a avançar no caminho que nos propomos fazer...

Mas... há que pensar:
- Que caminho? Que meta? Que estratégias para a alcançar?
Que tal pensar nisto no início deste novo ano? Que prioridades estabelecer?

"Um professor diante da sua turma de filosofia, sem dizer uma palavra, pegou num frasco grande e vazio de maionese e começou a enchê-lo com bolas de golfe. A seguir perguntou aos alunos se o frasco estava cheio. Todos estiveram de acordo em dizer que “sim”.
O professor pegou então numa caixa de fósforos e vazou-a dentro do frasco de maionese. Os fósforos preencheram os espaços vazios entre as bolas de golfe. O professor voltou a perguntar aos alunos se o frasco estava cheio e eles voltaram a responder que “sim”.
A seguir, o professor pegou numa caixa de areia e vazou-a dentro do frasco. Obviamente que a areia encheu todos os espaços vazios e o professor questionou novamente se o frasco estava cheio. Os alunos responderam-lhe com um sim retumbante.
O professor, em seguida, adicionou duas chávenas de café ao conteúdo do frasco e preencheu todos os espaços vazios entre a areia.
Os estudantes riram-se então nesta ocasião.
Quando os risos terminaram, o professor comentou:- Quero que percebam que este frasco é a vida. As bolas de golfe são as coisas importantes, como a família, os filhos a saúde, os amigos, Deus…, as coisas que te apaixonam. São as coisas, que mesmo que perdesses tudo o resto, a nossa vida ainda estaria cheia.
Os fósforos são outras coisas importantes, como o trabalho, a casa, o carro, etc.A areia é todo o resto, as pequenas coisas. Se primeiro colocarmos a areia no frasco, não haverá espaço para os fósforos, nem para as bolas de golfe. O mesmo ocorre com a vida. Se gastarmos todo o nosso tempo e energia para as coisas pequenas, nunca teremos lugar para as coisas que realmente são importantes. Prestem atenção às coisas que realmente importam. Estabeleçam as vossas prioridades e o resto é só areia.
Um dos estudantes levantou a mão e perguntou:- Então o que representa o café?O professor sorriu e disse:- Ainda bem que perguntas! Isto é só para vos mostrar que, por mais ocupada a vossa vida possa parecer, há sempre lugar para tomar um café com um amigo.Quando as coisas da vida te parecerem demasiadas…, lembra-te do frasco de maionese e café."
Um bom ano para todos, e se precisarem de
alguma coisa, estou por perto! Podem sempre contar comigo :)

domingo, 14 de setembro de 2008

Taize...a melhor semana!

Este talvez seja o texto mais importante que escrevi ate hoje! (Não desvalorizando os outros, claro!). Estas palavras vão procurar descrever a melhor semana que vivi! Não vou conseguir, eu sei! Mas, como Agostinho de Hipona dizia: “Avança no teu caminho pois ele só existe pelo teu caminhar.”

“Em todos nós há o desejo de um futuro feliz. Mas podemos ter a impressão de ser condicionados por muitos limites e por vezes ser surpreendidos pelo desânimo. (…) Ninguém gostaria de se atolar em sonhos de uma vida idealizada. Aceitemos aquilo que somos e também o que não somos. Procurar um futuro feliz implica fazer escolhas!” (Excerto da “Carta de Taizé 2008”)
No passado dia 30 de Agosto, 44 jovens fizeram a escolha de deixar a sua rotina habitual e partir rumo a Taizé! O mais incrível nisto, é o facto de Taizé, ser apenas duas sílabas muito curtas, quase secas, que se tocam por um instante. Como uma pontuação sonora. Um nome para condensar o essencial, para expressar o indizível.
O Centro de Taizé é a Igreja, onde tudo e todos divergem, onde cada dia ali passado permite a descoberta de um novo rumo, de uma nova perspectiva sobre cada aspecto, onde temos tempo para reler a nossa vida tornando-nos mais fortes, mais crentes, mais verdadeiros… Momentos de luz; silêncios dos quais nos imaginávamos incapazes; traços de amizades anónimas; olhares que diríamos serem quase demasiado brilhantes para serem humanos. A Voz que nos diz: “Basta! Agora, precisas de um pouco de silêncio! Escuta o que te fala no silêncio. Escuta quem te fala.” É maravilhoso entender que o Senhor é Verdade como o Sol, e que nunca pára de brilhar e iluminar o nosso caminho, dia após dia!

Jamais me irei esquecer da noite do dia 31 de Agosto, passado com o grupo “OS CINCO”! (Sem duvida alguma, que foi a melhor festa, as melhores partilhas e receios, e o melhor “terço”!
As noites muitas vezes são sinal de "loucuras"...
As noites por vezes são sinal de "perdição"...
As noites às vezes são sinal de "menos vida"...

Mas aquela noite confirmou que
A noite é TAMBÉM sinal de MAIS VIDA...
A noite é sinal de NOVA VIDA...
E nos soubemos acolher todos esses sinais, e parar para os interpretar!
A noite é sempre o que antecede um novo amanhecer...

Também na noite se encontram motivos para dizer sim à VIDA…

Joana, Diana, Sofia e Cristiano, que nas "noites" das nossas vidas possamos ter sempre no horizonte a certeza da Aurora...

A noite do dia 2 de Setembro, decerto que jamais será apagada da minha memoria… Obrigado “Anjo”, obrigado Sofia, obrigado Samuel, obrigado Tiago, obrigado Tomislav, obrigado a todo o grupo! Tudo aconteceu, porque talvez inconscientemente, me sentia tranquila e em segurança, num sitio de paz, com pessoas de bem! Mas, afinal, não era bem assim…
Mas, encontrei o meu refugio… Ele não me abandonou, claro! Afinal, o Senhor não abandona aqueles em quem n’ele confiam!

Excerto do meu diário de bordo, 4 de Setembro as 22h42 na Capela:
“Por mim, passava aqui noites, noites e mais noites! Que cânticos! Línguas diferentes, confissões diferentes, mas unidas pelo mesmo Espírito, e em comum com a mesma sede. O Senhor no Centro, d’Ele vem toda a forca do Amor.
Ao fundo, o cenário laranja, os panos triangulares cor-de-laranja, a Cruz de ferro com corações nas pontas… A Cruz, símbolo de passagem e não de sofrimento. E os corações, símbolo de Amor! Do Amor eterno e não passageiro! As velas que mantém a nossa esperança acesa… As velas, a luz que e a direcção em que caminhamos. A procura da luz, tentando ser Luz, tentando dar Luz aos outros.”

Nunca eu tinha imaginado que em Taize, iria criar relações tão fortes, e conhecer pessoas tão especiais! Pessoas que transbordavam de pureza, honestidade, confiança e fé! Pessoas que iriam ser capazes, de me deixar bem gravado o seu nome no mais intimo de mim, e que contribuem bastante para a minha recordação, da primeira vez que estive em Taize!
Em primeiro lugar:
- Thank you, my Clara! I promise that I will take care of me... And of course, I’m waiting see you again, maybe in Portugal, or in Heidelberg! “Der Herr segne dich und zeige dir den Platz, an dem er dich braucht. Der Herr beschutze dich und erfulle dein Herz mit Freude.” You are so different and special! I can’t explain better, you know that you are very important for me!
- Obrigado “Anjo”, pela tua presença, vigilante a orar! Pelas vezes em que fizeste sentir segura e tranquila. Pela maca, pelo bolo e pelo queijo, que não tiveste tempo de saborear, devido ao ensaio do coro J Pelo abraço, pelos sorrisos, pelas partilhas e pelo “Ate já”!
- Obrigado fml, pela sua presença, mesmo estando longe dos olhos, não deixa de estar perto do coração!
- Thank you for my reflexion group! It was very interesting work with you! Mareike, Claudia, Emillie, Sergi, Cristiano, Anna, Julia, Melanie and Sabrina, I hope see you again!


- Obrigado, GRUPO! Um obrigado muito sincero e enorme a todos vocês! Cada um teve um papel importantíssimo e único para que possa agora dizer: “Esta foi a melhor semana da minha vida”. Obrigado por todo o vosso apoio, pelo vosso bom humor, pelos vossos sorrisos, abraços e partilhas! Existem pessoas mesmo extraordinárias, como vocês! Companheiros de caminhada, amigos de partilha, e de experiencias que nos ajudam a crescer sempre mais e melhor, em direcção ao que na Vida e essencial! Agora: “A festa continua…” Um FREE HUG para todos vocês! Que tal, um pão com manteiga barrado a chocolate? Taize, bora voltar para lá? E para já!!!


Porque esta foi a melhor semana que já vivi ate hoje, no melhor sitio onde já passei, com as melhores pessoas que alguma tinha conhecido… Porque, a noite de sexta-feira foi algo tão único e especial, tão marcante, e ao mesmo tempo tão aliviante… estar ali a volta da Cruz, onde Jesus nos convida a caminhar por Ele e com Ele, a renunciar a nos mesmos, tomar a nossa Cruz e segui-Lo. O nosso desejo que Ele esteja sempre em nos, nas nossas Cruzes e nas nossas Luzes. Em toda a fraqueza há sempre uma forca. Essa forca e Ele, Ele e o Amor!
Ir a Cruz, colocar a cabeça nos Teus pés com a mesma humildade e entrega de outros tantos que já o fizeram, aqui em Taize! Todas as dúvidas e inquietações, agradecimentos e preces, nos Te confiamos também naquele momento Senhor, nas Tuas mãos colocamos a nossa vida!
Porque as duas noites “dormidas” na capela, foram algo de maravilhoso e inesquecível… Porque o Encontro todos os dias na Crypta as 7h30 da manha era a melhor forma de começar o dia! Porque e incrível, apercebermo-nos de como aqui, tudo e tão simples, e e desta simplicidade toda que surge a grandiosidade dos acontecimentos e das situações.
Porque, a última noite me deixou de rastos… Estava muito cansada, nessa noite tinha sido celebrada a Ressurreição de Cristo, e a minha vela tinha-se apagado cedo! Depois, deste grande acontecimento, houve uma cadeia de pequenas grandes coisas, um desenrolar que não mais tinha fim… tudo tão bem encadeado, que agora pensando bem, talvez não tenha passado de um simpls sonho! Estou a brincar… e claro que foi realidade, pura e doce realidade! E Quando me dirigi a Cruz, que estava no centro da Capela, no meio… o encontro com Deus talvez tenha sido o mais…profundo!

Porque não me lembro de alguma vez me arderem tanto os olhos, das lágrimas derramadas, a garganta, dos soluços dados, e dos arrepios passados… e no meio disto tudo, o brilho de felicidade nos olhos, e a alegria das palavras que ressoavam!

Ate já Taize! Porque vais receber-me outra vez, com quem foi e quer voltar, e com quem não pode ir, mas não quer perder a oportunidade de ir ai, nem que seja apenas uma vez!

domingo, 24 de agosto de 2008

Anda a Caminho da Luz

“Nunca me canso de escrever a tintas de ouro a palavra confiança: o Senhor acode sempre a quem n‘Ele confia.” Luiza Andaluz

No dia 19 de Agosto, lá estávamos nós, no Entroncamento, preparados para dois dias a ANDAr a Caminho da LUZ!
Começámos a caminhada, com a certeza de que:
Da nossa Estrada, Ele é a meta!
Das nossas dúvidas, Ele é a resposta!
Da nossa sede, Ele é a Água Viva!


Ao longo deste dia, percorremos um pouco do trajecto que Luiza Andaluz (Fundadora da Congregação das Servas de Nossa Senhora de Fátima) fazia, e fizemos um pouco de Evangelização de Rua!
A primeira proposta em pares, consistia em escolhermos a pessoa que menos conhecêssemos, e fazer a primeira parte da caminhada com ela, conversando um pouco acerca de nós, do que nos levava a estar ali, etc… Foi bom falar contigo Susana! Obrigado por todos os esclarecimentos acerca do “Percurso Académico” (tal como lhe chamamos!).

Depois de um almoço partilhado, da molha da Irmã Ana Cristina, do jogo que acabei por não saber qual era, e do tempo que me obrigaram a esperar, e eu paciente, lá obedeci, e no final era brincadeira… :) chegou o momento de encontro mais intimo com Ele, de escuta e reflexão! E que doce momento! Que diálogo enriquecedor!
Chegava a altura de partilhar com outra pessoa, a forma como rezávamos, como nos sentíamos, o que nos era transmitido, etc… Oh Senhor, como é difícil às vezes passar isto para palavras! Oh Irmã Ana Cristina, apercebeu-se não foi?

Mas, durante aquele tempo de reflexão e escuta limitado a 45 minutos, o Senhor “apanhou-me” parada e dirigiu-se:
E se EU agora te quisesse pedir mais do que me tens dado, o que poderia esperar de ti?
Sabes, pergunto-te isto porque finalmente te apanho parada! E bom ter-te aqui assim, parada... Há quanto tempo..
E se EU agora te quisesse pedir mais do que me tens dado o que estarias disposta a dar-me? Sabes bem que não quero “coisas”. Quero-te a ti! Porque te amo.
Mas não te roubo de ti própria! Só tenho de ti o que me deres.
Vá lá…Sejamos sérios! Quero viver contigo uma relação de verdadeiro Amor, e para isso temos que ser verdadeiros um com o outro desde o princípio.
De que projectos da tua Vida serias capaz de abdicar por mim?
E que projectos serias capaz de sonhar comigo?
Deixas-me sonhar contigo?
Ate onde me deixaras levar-te?
Será que tens que ser sempre tu a decidir a direcção dos passos que damos juntos?!
Quando me darás mais espaço para poder ter iniciativas na tua Vida?
Não te faço mal, ainda não entendeste?!
Estas disposta a arriscar alguma coisa por causa de Mim?
Tens coragem de colocar a ti própria perguntas e duvidas em meu Nome?
Tens a ousadia de te deixares por em causa por mim?
Gostava de ir mais longe contigo…
Gostava que saíssemos desta monotonia morna em que me das sempre apenas umas migalhas do teu amor e da tua atenção, mas nunca me pões realmente nas mãos o destino dos teus dias!
Procura alguém que viva em profunda intimidade comigo e pergunta-lhe se alguma a deixei mais triste, pobre ou infeliz!
Nunca fiz mal a ninguém…
Seguir-me nunca conduz ao vazio, e amar-me nunca acaba em fracasso. Tem e que ser em Verdade!
Vá lá, diz-me o que posso esperar de ti?
O que posso esperar mais de ti?
Amo-te demais para desistir de ser teu inteiramente!
Mas, para isso, tens que querer ser minha também.
O que posso esperar de ti?...”

A resposta não tardou:
Senhor, Senhor que queres que eu faca?
Agradecemos-Te Senhor estares connosco, fazeres parte do nosso caminho.
Se sempre a Estrela que nos guia.
Dispõe o nosso coração para fazer sempre e só a Tua vontade.
Amen.”


Irmã Ana Cristina- Rita, queres mesmo por o “sempre” e “só”?
Rita- Sim, quero!
Irmã Ana Cristina- Tu e que sabes! Nunca te esqueças…

A caminhada continuou, chegou a altura da Evangelização de Rua, dar a conhecer as pessoas Luiza Andaluz, falar um pouco com elas, e entregar-lhe o “Ressonâncias” (Jornal da Congregação). Desta vez, a companheira foi a Ana Isabel (…e que grande companhia! Agradeço a mensagem de ontem, o convite, os sorrisos e as conversas!).

A noite chegava, a vontade de Andar a Caminho da Luz permanecia, os sorrisos gerais, de quem estava com Ele, o cântico: “O Senhor e a minha forca, ao Senhor o meu canto. N’Ele esta a salvação, n’Ele eu confio e anda temo, n’Ele eu confio e nada temo!”

A frase tantas vezes dita: “Estamos quase a chegar, e já ali! Olhem as luzes!”
A Irmã Teresa que olhava para a Lua, e reflectia como o Senhor era mesmo bom, dava-nos de dia o Sol, e de noite a Lua, para podermos sempre caminhar com a Sua Luz!
A Ana Isabel que so perguntava quantos quilómetros faltava, e ponderava a hipótese de continuar o resto do caminho sob pneus! Avistava as luzes, sempre longe… e chegava a conclusão de que quando se aproximava dois passos, elas afastavam-se dois passos. Caminhava dez passos, e o horizonte corria dez passos adiante. E a frase : “Estamos quase a chegar, e já ali!” existia para que ela não deixasse de caminhar….
A Adriana, já cansada, mas a pedir-me um novo cântico, e que eu não parasse de cantar!
A Irmã Elisabete, que comigo lhes dava forca para continuarem, através de uma palavra amiga, ou ate mesmo de um empurrãozinho!

E assim chegamos, ao local acolhedor onde íamos passar o resto da noite… Com a certeza de que nos queríamos lançar!
“Quero lançar-me!!!”


20 de Agosto- Celebração do 35º Aniversário da Morte de Luiza Andaluz.
“A SUA LAMPADA NÃO SE APAGA”
Estivemos na Igreja da Graça, em Santarém, onde Luiza Andaluz tinha sido baptizada, e ali, fomos convidados a reflectir sobre o que tínhamos feito com o nosso baptismo até agora, e escrever uma carta a Jesus, uma carta de compromisso de força e de ousadia de "remar contra a corrente", de "marcar a diferença" que Jesus propõe: de ser instrumento de Amor e de Paz, e com isto, marcar a nossa impressão digital na “plaquinha”.

A minha carta, esta religiosamente guardada… :)

A visita ao Centro das Crianças acolhidas pelas Irmãs, o almoço feito pelas Irmãs, o sorriso delas, a sempre boa vontade e boa-disposição! Como e contagiante! Benditas sejam elas, mulheres de amor!

Infelizmente, já não me posso alongar mais, apenas mais uma palavrinha de “Até Breve”, lá nos veremos em Novembro no “Intra e Vê”!!! Mais novidades, brevemente em www.luzesnocaminho.blogspot.com

Com amizade,
Ana Rita Libório

PS- A demora do texto ao ser publicado, deveu-se à minha ausência… Estive no Algarve sem Internet, dei bons mergulhos! Estava óptimo!
Um beijinho para todos, e deixem-se possuir por aquilo que é Essencial na vida: um mergulho diário em Deus!