sábado, 22 de março de 2008

Se eu morresse amanha que me dirias hoje?

Como prosseguir quando em nós se instala a certeza natural, benévola, leve e translúcida de que tudo e nada são absolutamente sem sentido?

Como dizer ao pé esquerdo, anda por favor, e convencer depois o pé direito a dar o mesmo passo? E mesmo que se saiba o como, logo espreita, ansioso e cansado de esperar, já cheio de tiques nervosos, o porquê.


Porquê dar mais um passo? Não tem qualquer sentido. Em absoluto não o tem. Mas dá-se, e como mecanicamente o pé esquerdo e o pé direito na sua formatação perpetuada conseguem realizar a performance, assim seguimos.

De vez em quando podemos olhar no espelho e perguntar-lhe: - Se eu morresse amanhã, o que me dirias hoje?

Será que temos força para aguentar a resposta, ou nem sequer ousamos a pergunta? Qual de nós não se esgrima por mais um só, só mais um, testemunho de beleza, olhando o arco-íris por exemplo,momento de alegria, rindo até doer o estômago e o rosto, por exemplo,um segundozinho que seja de paixão...um toque, um abraço profundo, um beijo longo e apertado como se o corpo se pudesse diluir, assim, simplesmente assim...quantos de nós não esgrimamos assim?


Tudo é sem sentido e nada tem sentido nenhum. Pois se eu morresse amanhã o que me dirias hoje?

3 comentários:

Adriana disse...

Se morresses amanhã dir-te-ia hoje:
Até logo. Faz serena a travessia. Encontramo-nos na outra margem.


=)

Anônimo disse...

eu pegava nos teus textos e publicava os ;D

Anônimo disse...

Si, probabilmente lo e