quarta-feira, 14 de outubro de 2009

As Crianças de Chernobyl

Hoje, rendi-me à televisão... não resisti a ver do princípio ao fim a reportagem da RTP sobre as crianças de Chernobyl..
Tenho um aperto muito grande no coração... Por um lado, o sentimento de impotência e pequenez, por outro, o grande desejo de abraçar todo este mundo, todas estas crianças, de lhes sorrir da forma mais gratuita, por Amor! Porque comecei a amá-las como se há muito as conhecesse, como se fizessem já parte de mim...
E dói, saber que estou em frente a este estúpido ecran, enquanto elas sofrem!!!

As Crianças de Chernobyl não têm dias mundiais. Têm os seus Dias de dor, sofrimento, mágoa e angústia.
Choram. Olham de soslaio para a felicidade das outras, através da televisão, sonhadoras, muito longe do seu Inferno diário, como se vivessem na Terra do Nunca.
Têm brinquedos e têm cancro da tiróide, leucemia, paralisia cerebral, às vezes mais dedos em cada mão – 6 ou 7 – do que a maioria dos outros meninos europeus.
Têm escolas e têm toda a paciência do mundo para não brincarem a sorrir, a saltar e a gritar, enquanto diariamente recebem tratamentos dolorosos, intensos, fastidiosos.
Têm os dias contados e soletrados com explicações efémeras sobre as causas involuntárias da sua infelicidade.
Têm calendários com todos os dias assinalados a azul – tratamentos – e dias assinalados a vermelho – provável dia da sua morte, prematura, antes dos quinze, dos vinte, raramente depois dos trinta anos de idade.
As Mães destas crianças não desperdiçam o seu TEMPO com o seu próprio tempo – não têm vida própria. Também elas pouco sorriem. E choram também.
Com o consumo de uma dose diária de sal iodado, cerca de 4.000 – quatro mil – crianças da Bielorússia, Ucrânia e Federação Russa poderiam ter sido poupadas ao cancro da tiróide. Uma gota de iodo custa apenas alguns cêntimos.

E poderia colocar uma foto, mas não o vou fazer...! É duro demais!
Nem saberia que foto escolher... talvez a dura realidade do sofrimento físico e interior, aliada ao lindo sorriso que elas transparecem!

10 comentários:

Anônimo disse...

"Deixai vir a mim as criancinhas e não as estorveis..."
Ñão é só em Chernoby que existem crianças a sofrer, infelizmente bem perto de nós esta também é uma realidade...
Contribuiremos para a felicidade das crianças que contactam connosco se formos autênticas e lhes apresentarmos o verdadeiro tesouro, Jesus Cristo.
Ana Cristina

puga assis disse...

Escreves como sentes e atinges o coração das pessoas. Parabéns. É um dom raro. Eu sei que tu o cultivas. Um Beijinho.

dream* disse...

Oh ritinha, há tanta gente a sofrer e nós n podemos fazer nd :x
Só nos resta rezar! por aqueles q não podemos ajudar... E sentimo-nos impotentes, mas n há forma de mudarmos isso... Não é só estalar os dedos, por muito que fosse nossa vontade mudar as coisas! :x
Mas há que ter esperança e fé em Deus!
Beijocas minha querida!*

*Mariana* disse...

Porquê?, porque é que há pessoas com tanto e outras com tão pouco?, porque é que nos queixamos tanto das nossas vidas enquento existem crianças ainda piores do que nós?

Uma explosão que ocorreu numa central nuclear mudou a vida de muitas pessoas, mas ao ver estas coisas na televisão, não sei o que posso fazer para ajudar...

Beijos grandes!

Ritinh@ disse...

Querida Irmã Cristina...
Sim, esta é uma realidade!
A nossa esperança, Jesus, deve ser também a sua esperança...

Ritinh@ disse...

Querido Puga Assis:
Penso que quando vem mesmo de dentro... do mais profundo de nós... conseguimos atingir o coração das pessoas!

obrigada...beijo

Ritinh@ disse...

Sim, Dream..
Sentimo-nos impotentes, é isso...
Somos pequeninos, Ele é grande! Deixemo-lO ser grande em nós! :D

Ritinh@ disse...

Querida Mariana...
Também viste a reportagem? Deixou-me um nó na garganta.. deixa sempre!
Por mais que as "histórias" de vida sejam idênticas a tantas outras, acabam sempre por nos atingir pelas pessoas/crianças que envolvem...

Marco Jacinto disse...

Mais uma vez nos relembras que não vivemos sozinhos neste pequeno mundo onde,.. eu por vezes apanas veijo os probleminhas das notas na escola e talvez o que vai ser a minha próxima refeição.....ainda bem que quando visito o teu blog relembras algo de importante Estou agradecido...

Ritinh@ disse...

LOL Marco... acho que eu nunca penso no que vai ser a minha próxima refeição..! Aliás, se por vezes o tempo para a refeição já é pouco, então nem se fala no tempo de pensar acerca dela :P

Não precisas de agradecer... é sem querer que eu te proporciono a reflexão! Esta, preferia não tê-la proporcionado... preferia que não existissem estes casos de sofrimento!