sábado, 3 de outubro de 2009

Eu amo-vos II

Mal eu sabia que 3 horas depois de publicar o texto de ontem, me esperava uma noite…!

Eram 23h quando saí de casa para ir ter com a minha avó ao hospital, que já lá tinha ido parar no INEM… Depois de uma viagem de 45 minutos, finalmente chegámos! Só deixaram entrar o meu pai… dizendo-me que eu tinha que aguardar na sala de espera (onde estive cerca de 1hora, em pé..). A certa altura, o guarda (bastante simpático), veio ter comigo para me indicar o sítio onde o meu pai estava!

Encontrei a minha avó ao longe, com o meu pai... Questionei-me se seria mesmo ela! Tive muito medo, questionei-me qual a última vez que a estivera com ela… e custou-me perceber o quanto ela tinha mudado em tão pouco tempo! Depressa me sentei ao seu lado, e estivemos horas a falar… Ela estava igual! Era a mesma... Recordámos imensas coisas e pedi-me que me contasse a história do “Franganito Encantado”.

Era uma vez o Franganito Encantado que ia contente, e a cantar descendo a rua
abaixo, quando encontrou uma fonte e disse:
“Oh água! Salta para o meu
papito!” – E a água saltou.
Continuo a descer a rua, e encontrou um monte de
pedras, e disse:
“Oh pedras, saltem para o meu papito!” – E as pedras
saltaram.
Mais à frente, encontrou fogo na rua, e disse:
“Oh água, sai do
meu papito, e apaga o fogo! Oh pedras, saiam do meu papito!”- E o fogo foi
apagado!
Só ontem, é que compreendi esta história… Tal como o Franganito Encantado, precisamos de receber… para depois poder dar!

Não consegui conter as lágrimas, mas sorria!
Éramos duas crianças… Ambas pedíamos a Deus que nos concedesse mais tempo juntas! Ela rezou comigo a oração de todas as noites…

E não posso deixar de referir as pessoas que também naquela noite estavam no hospital… Sofri verdadeiramente ao vê-las… O Senhor Bento, uma verdadeira companhia, do início ao fim… até regressou a casa ao mesmo tempo que nós! A Senhora X que se lamentava do facto de ter trabalhado tanto a vida toda, e não ter tempo para Viver, que nada tinha valido a pena! A Senhora Y (decerto doente mental) que presa na maca, gritava de revolta contra a vida, contra os médicos, e tentava soltar-se. A Ana Rita, que devia ter a mesma idade que eu, e que tinha vindo falar comigo, perguntar-me se eu a tinha visto sentir-se mal no “ABS”. Eu nem sabia o que era o ABS... ela lá me explicou que era uma discoteca, mas que não se lembrava de nada, apenas tinha acordado no hospital e esperava pela chegada da mãe! A Senhora Z que pedia desculpas aos enfermeiros, por ninguém a poder vir buscar e que teria de dormir no hospital naquela noite… O Senhor W que entrou na cadeira de rodas, a gritar bem alto numa língua completamente estranha, que ninguém entendia... e como se recusou a calar, foi levado pelos enfermeiros para fora da sala! E tantas outras pessoas… tanto sofrimento!

E a minha avó! Queria agarrá-la a mim para sempre… Ela dizia-me que nos queria ver por mais tempo, e aos nossos filhos…! E acrescentava que também será feliz com Deus, e que lhe pede muito por nós…

E tanto que ficava “aqui” dentro..!
Quando cheguei a casa já eram 6h da manhã…
E hoje à tarde voltámos a casa dos meus avós! Doeu-me tanto ter de ser eu a fazer o que a minha avó fazia e para o qual agora não está capacitada… Como em 8 dias, tanto se alterou! E, porque há pessoas más, que em vez de querer o bem, querem o mal.. Que não retribuem todo o amor que recebem…

Oh Jesus, tu que sabes bem o que se passa, o que está por trás de tudo isto, ilumina-nos de modo a que com um olhar de fé possamos compreender o que fazer…


Estou de rastos!
Eu Amo-vos...

12 comentários:

Rainbow disse...

Realmente, que noite...

Marco Jacinto disse...

Força ...Ana Rita é uma de muitas fázes dificeis, n sei qual a causa da ida para o hospital (da tua avó )mas dezeijo tudo de bom para vóz......Bjs Força......

Alexandre disse...

Deve ter sido uma noite tão má! :(
A tua avó vai melhorar!
Sempre que estiveres mais em baixo, lembra-te dos bons momentos que passaste com ela.
Ela também se vai lembrar e sorrir.
Sabes que podes contar comigo, amiga!

Anônimo disse...

Obrigada pelo teu testemunho... é bem verdade que a fé e o amor de Deus ajudam a dar sentido à nossa vida, respostas que não pensávamos...
Te abraço! Uma oração particular...
Sónia,pddm

Anônimo disse...

Querida Ana Rita
Apenas me vem ao coração repetir-te uma palavra de Luiza Andaluz:
"É nas horas dificeis da vida
que o Senhor nos pede o certificado do amor."
Ana Cristina

Ritinh@ disse...

Rainbow...
de facto, a noite foi longa!

Ritinh@ disse...

Obrigada Marco..

Ritinh@ disse...

Alexandre,
Não, a noite não foi má...
No meio das coisas menos boas que a vida nos proporciona há sempre uma Luz de amor que permanece acesa, e que continuamente nos fala ao coração, dizendo que confiemos!

Ritinh@ disse...

Olá Irmã Sónia!

Sim, é na nossa escuridão que somos postos à prova, e convidados a dar testemunho de que tudo passa a ter novo sentido, quando visto com os olhos da fé, os olhos de Amor de Jesus!

Unidas na oração
Ana Rita

Ritinh@ disse...

Irmã Cristina..
Luiza Andaluz era uma mulher muito sábia... Ela de facto tocava a verdadeira Felicidade!

Anônimo disse...

Ola priminha....

Uff! Conseguiste com este texto deixar me com lágrimas nos olhos... não sabia que a tua avo tinha estado no hospital e tenho muita pena que as coisas tenham de ser assim!

(ainda por cima estou neste momento a ouvir um musica lindissima para Deus que acho qe se adequa a leitura do teu texto)

Espero que com este tempo que passou as coisa estjam muito melhores.

Que Deus vos ajude a todos... :)

Ritinh@ disse...

Querida prima..!

Sinto falta de ti, das nossas conversas, de estarmos assim juntas!
Temos andado desencontradas... estas voltas que a vida dá, nem sempre compreensíveis..!

Gostava que partilhasses a letra da música que estavas a ouvir, talvez me ajude :)

Tenho muita pena que no domingo não possas ir ao batizado, gostava mesmo de te ver!

Vai ficar tudo bem.