quarta-feira, 24 de março de 2010

"Vamos caminhar... conhecer o que há para lá!"

E assim é a Vida, feita de partidas e chegadas... De idas e vindas. O que para uns parece ser a partida para outros é a chegada.

No entanto, "o que importa é partir, não é chegar", partir e confiar que "para lá" está alguém a esperar, "para lá" está um porto que acolhe.

Pois bem.. Foi-me feito um desafio de caminhada: apenas sabia que seriam 25 km e que o local de descanso seria a Freiria. Há quem diga que estamos na idade de cometer loucuras! Mesmo suspeitando que as minhas amigas bolhas me iriam acompanhar, arrisquei!

Arrisquei, porque precisava de parar... parece quase contraditório aceitar caminhar porque precisava de parar!
Na saturação das imagens que nos são impostas, vamos perdendo a capacidade de ver. No excesso de informação e de palavra, esquecemos a arte de ouvir e comunicar vida. Damos por nós, e há, à nossa volta, um deserto sem resposta que cresce... e só cresce porque não paramos! Ora, "pôr-se a caminho", meditar a gratuitidade de tantos momentos, contemplar o sol, as ervas, as flores, as nuvens, o caminho é aprender a "rezar com os pés", aprender a parar, a estar...
Aceitei caminhar porque confiei... O caminho faz-se caminhando, e era urgente que eu me pusesse a caminho! Sentia-o.

Se me interessava saber o percurso? Não! Isso seria um pormenor. A parte mais importante dos quilómetros que percorri não está em nenhum mapa!

A oração torna-se natural como uma conversa, e as conversas enchem-se de profundidade, de atenção, de sorrisos.

Há algum tempo que ansiava, sem o saber, esta chegada à Freiria...

Há pessoas que embora longe do nosso olhar, permanecem no nosso coração, e nos marcam!

E passem os anos que passarem, há coisas que o tempo não apaga e que a distância não destrói!

Cheguei então à Freiria toda enlameada! O caminho tinha sido praticamente todo por lama, as calças estavam todas sujas. A determinado momento do percurso, a lama sugou-me o ténis e lá fiquei com o pé enterrado! E no meio disto, havia quem estivesse muito pior, e não conseguisse prosseguir...

Não estava a contar entrar na escola, mas afinal constava do programa que o almoço fosse na escola da Freiria! Mal eu imaginava!

A escola que há tempo eu aguardava... e pela qual era aguardada!

Afinal, deixei lá tanto do que hoje sou... A escola onde caí de pára-quedas, assim, pequenina... Inocente, ingénua, achando que o mundo se resumia à bondade de todos e de cada um.

(A pequenina menina que confiava sem limites, que ajudava sem restrições, que não tinha medo de sorrir, e que desconhecia a crueldade do mundo lá fora...

Hoje talvez fosse o dia dessa pequenina menina encontrar em si o que de mais puro há...)
Uma (ex)professora que corre para me abraçar (ignorando a minha sujidade) e diz: "Rita, estás tão bonita!"... Um olhar que percebe a vida! Um olhar que penetra o olhar... um olhar interior! Um olhar que merece o sorriso do "burro de Jesrusalém"!

Outro abraço, de outra (ex)professora, que sempre sonhou que eu fosse Ministra da Educação, e tantas outras coisas...

Outra professora, e outra e outra.... E quando dou por mim, tinha TODOS os meus (ex)professores ali (numa 4ªf à tarde, ou seja, quando não há aulas).. Aqueles que tinham sido meus, e outros que, embora nunca me tivessem dado aulas, eram meus "professores", porque havia uma empatia tão grande naqueles corredores! UM ABRAÇO NESTE PONTO DE ENCONTRO!

E naquele momento tão inesperado e espontâneo, as memórias guardadas no coração surgiam...e com elas gargalhadas, e a nostalgia de tão bons momentos passados em família. Sentimentos inexplicáveis, talvez mesmo a sensação de estar em "casa".. do regresso à casa! Foi assim que senti, quando eles me disseram que há muito que esperavam por este momento!

E como não se fala de passado, sem falar de futuro... Ainda demos umas valentes gargalhadas!

A amizade ficou. Forte como a primeira lágrima derramada naquela escola. Forte como sorriso inabável. Forte como a espontaneidade dos momentos partilhados!

E agora, o pedido de que momentos como estes continuem a ser proporcionados! Obrigada!!!

Um comentário:

Alexandre disse...

Deu para reparar que aproveitaste bem este dia e não foste das pessoas que teve a caminhada inteira a dizer mal de tudo e todos e no final dizer que não vem para o ano!
Aproveitaste e aproveitaste muito bem!
Cheguei a ver-te! E foi uma conversinha de 10 segundos!
Parece que te fez bem ir àquela escola! Eu também gostei de ir!
Foi bom teres aproveitado bem esta caminhada, pois para o ano já não a farás!
beijinhos rita!