domingo, 27 de abril de 2008

Opcoes...mesmo decisivas!


“Sinto que há uma estranha pressa no mundo.

Sinto que corro, que me estico.

Sinto as luzes.

E por mim passam carros... pelas ruas.

Sonho tão acordado que me assusto.

Barulho.

Lá fora tudo move... Tão perfeito.

Aqui dentro há o silêncio, mas propositado... barato.

Nevoeiro, névoa, neve, branco.

Sujo-me neste quarto e lá fora chove.

Dou dois passos e …

Deixo Pegadas…”



À velocidade que corre a nossa vida, muitas das vezes não guardamos momentos para parar e celebrar as pequenas grandes coisas que a vida nos proporciona, somos como que impelidos a colidir uns com os outros, sem muitas das vezes nos darmos conta de quem é esse alguém que nos rodeia. Somos como que forçados a olhar para aqueles que nos rodeiam e acompanham a nossa caminhada, nos auxiliam nos momentos que necessitamos e nos ensinam e ajudam a crescer apenas com a sua simples presença, sem nunca lhes darmos o devido valor. Todos eles nos ensinam algo mas, por vezes, nem a todos deixamos o devido olhar, o devido agradecimento, ficamos como que à sombra do nosso olhar. Realmente, muitas das vezes vivemos à sombra do nosso olhar, das nossas acções, das nossas vontades.

Muitos de nós questionamos decisões por nos tomadas. Serão as decisões certas?! Serão as erradas?! Todos nós cremos e acreditamos vivamente que não existem fórmulas certas para nada.
Caminhar é uma viagem que cada um de nós empreende e que nos irá levar a algum lado – todos esperamos tornar-nos pessoas melhores e mais aptas para fazer face às exigências da vida. Decisões…Todas as decisões que se tomam nunca são fáceis nem são tomadas de ânimo leve. Todos nós em determinado momento da vida somos forçados a optar. Optar nunca é fácil, no entanto, fazer opções é fazer caminhar.

Todos nós crescemos mais um pouco à medida que fazemos opções na nossa vida. Cada actividade que se desenvolve e planeia é uma pequena “luta” que se trava com as adversidades que se nos apresentam – são pequenas viagens que são realizadas, são vitorias perseguidas…


“Há tesouros por toda a parte…”. Em abono da verdade, é a mais pura das realidades; por toda a parte, a todo o momento, em todas as ocasiões, por mais escolhos que se te deparem, existem milhares de tesouros à espera que tu os descubras, desde que estejas disposto a empreender a tua viagem…

Há uma grande incerteza quanto ao futuro. Não por não sabermos o que fazer, mas sobre o rumo que as coisas tomarão após as nossas decisões. O momento de "resolver as coisas" talvez tenha chegado mais cedo do que o esperado. Há uma certa expectativa em relação à nossa própria vida que vem das pessoas que nos cercam, que nos amam. Sabemos o quanto se preocupam. Sabemos as que duvidam, as que acreditam em nós de olhos fechados, e isso conforta-nos bem mais do que possamos imaginar. Algumas delas, tão sensatas e confiantes, fazem com que criemos em nós uma responsabilidade incomum, porque não queremos decepcioná-las. Estiveram connosco durante todo o tempo, acompanharam os nossos momentos de resistência, e os poucos em que vibramos com a descoberta de possibilidades que agora já se transformaram em verdadeiros projectos de vida. Não queremos decepcionar, escolher menos do que sabemos que somos capazes de realizar. Sentimos que vamos acabando por construir um mundo novo quando esses planos, alguns um pouco mais, sonhos mesmo, se tornarem realidade. Às vezes, algumas coisas fazem-nos vacilar e ficamos a pensar que talvez seja melhor que nada se atravesse no nosso caminho agora, nem mesmo coisas que queremos muito.

O facto de se terem opções não quer dizer que as coisas estejam resolvidas. É preciso fazer uma escolha e não podemos deixá-la para mais tarde, não há mais como adiar. Tem um tom de irresponsabilidade que não é bem vindo neste momento da nossa vida, não agora.


No meu ver, não nos devemos acostumar a ideia de que as coisas tomam o rumo que devem tomar.


Acreditemos que somos mais responsáveis do que imaginamos pelas coisas que vivemos e, sobretudo, pelas que vamos viver.


Ja devem ter percebido que estou numa fase em que preciso, tenho e devo optar! Ajoelham-se perante mim varias opcoes...tenho que reflectir bem..nao no que mais gosto, mas no que sera melhor....nao so para mim! Se ate hoje tivesse feito todas as minhas escolhas tendo em vista apenas o meu bem, os meus gostos e a minha felicidade individual, hoje nao era tao feliz!


E por isso.."Senhor, Senhor que queres que eu faca?"

6 comentários:

Anônimo disse...

Sei de algumas opcoes a q te referes..e compreendo a sua importancia! O que escolheres agora, o que fizeres agora, vais colher os frutos mais tarde!

Mas...tenho a certeza que saberas escolher o que for melhor nao so para ti como tambem para aqueles de quem vao depdender as tuas decisoes...

Mass nao te esquecas, por detras dessas escolhas, vais sempre deixar uma gfrande parte de ti aos que te rodeiam..e dai a importancia da opcao que tomares!

Forca.. O Amor nao torna nada impossivel!

Es muito corajosa e tenho orgulho de ti!

Anônimo disse...

gostei do texto todo!
escreves bue bem!!

a parte final e o amarelo é o melhor

GMDT

quem sou eu??

Adriana disse...

Optar é sempre uma tarefa difícil... Por vezes não sabemos o que é melhor para nós... E outras vezes ficamos dividido entre o que devemos e o que queremos, entre o que é mehor e o que o coraçao nos chama... A questão é, como sabermos o que é o melhor? Se não seguimos o coração, e depois descobrirmos que aquela afinal não foi a melhor escolha, ficamos desanimados... Po isso, devemos reflectir bem... Pedir a Deus que nos ilumine, para que saibamos qual o melhor caminho a seguir, qual a opção certa, o que devemos fazer. Como dizes, temos de ser responsáveis, reflectir, e tomar decisões conscientemente.

Dizes: "No meu ver, não nos devemos acostumar a ideia de que as coisas tomam o rumo que devem tomar."

Não devemos, porque não podemos esperar que as coisas se façam por nós, que as escolhas se façam sozinhas... porque claro está que isso não nos leva a lado nenhum... Mas por outro lado, por vezes não percebemos porque é que a vida toma certos rumos, porque é que afinal fizemos certas opções e não outras... E mais tarde vimos a perceber qu afinal talvez tinha de ser assim porque tinha de ser, e se não tivéssemos passado por certas coisas antes não teriamos chegado àquele ponto, que nos agrada e em que nos sentimos realizados. Afinal ,nada é por acaso... O acaso não existe...
Mas a verdade é que também não podemos afirmar isto com todas as letras... Esta é a tal questão do determinismo e do livre arbítrio... Será que fazemos as coisas por que queremos ou porque fomos de certo modo condicionados para tomar certas opções? Será que não temos poder sobre nós próprios, afinal tudo está determinado e não podemos optar? Ou somos unica e excluisivamente os unicos senhores da nossa vontade? Bem, senhores da nossa vontade também está claro que não... Porque, afinal, não podemos fazer tudo o que queremos... Se nos mandarmos de um prédio e abrirmos os braços etá claro que não voamos... (Plo menos da maneira que desejariamos...).. Há certas e determinadas coisas que escolhemos porque fomos condicionados para isso, sim.. mas será que estamos condicionados em tudo? Aqui surge aquela questão... Quando estamos em situações estremas, obrigados a tomar uma decisão, mas não a conseguimos tomar, como aquela história do holocausto que uma mulher tinha de decidir qual dos filhos entregava para ser morto... Como se pode decidir uma coisa dessas? Será que podemos afirmar que não faríamos nunca certas coisas, sem estar nas situações? será que se nos obrigassem a matar alguém que o farámos ou que preferimos morrer nós? Pensamos na segunda hipótese, mas será que se estivessemos mesmo nessa situação a conseguiríamos tomar? Não podemos saber. É claro que ai podemmos optar, mas será que conseguimos?
Claro estás que, entre fazer um assalto e não fazer, matar alguém e não matar.. podemos escolher... ninguém nos obrigou a cometer um crime.. e afinal também não somos umas marionetas.. temos vontade própria.. Mas que muita coisa nos condiciona, la isso condiciona..
Mas quanto a essa questão do determinismo e do livre arbítrio, opto por uma posição intermédia. A meu ver, temos sempre poder optar por entre certas opções.. certas coisas influenciam-nos, sim, mas ainda sobram várias opções. Há coisas que não compreendemos, mas também não podemos compreender... Não podemos quere saber tanto como Deus... Por vezes, quando tomamos uma opção, mesmo que não o percebamos ela foi assim porque teria mesmo de ser, ou caso contrário a tua vida seria absolutamente diferente, se é que a tua vida poderia ter ido por outro caminho... Então, o que eu axo é que não nos podemos revoltar quando por vezes as coisas correm mal... Certas coisas estão determinadas, sim... teríamos mesmo de ir por esse caminho, ter essa missão. Ou não seríamos nós. Mas também não somos marionetas. Podemos e devemos fazer certo tipo de escolhas que mais ninguém fará por nós. Esta é uma questão complicada.. que tem muito para debater.. Não podemos esperar que a vida se desenrole so por ela, mas também não podemos querer controlar tudo na nossa vida... Porque existem factores que não controlamos...
Por isso, anres de fazer uma escolha, o melhor é reflectirmos bem, e confiarmos em Deus para que ele nos guie. Como somos imperfeitos, nem sempre conseguimos fazer as escolhas certas.. É por isso que precisamos de pedir ao que é superior a nós..
Bem, não me vou alongar mais.. Esta é uma questao demasiado confusa... E o melhor é nao mensar demasiado nela ou acabamos por enlouquecer... Pensa bem, reflecte, confia,pede a Deus que te ilumine... E vais ver que tomarás as opçoes certas... Só um dia mais tarde podemos ver isso. As respostas a todas estas perguntas, talvez a venhamos saber em algum tempo... Até lá... cá vamos vivendo xD
Beijinhos
Fica bem*

adriana disse...

Bem... axo que vou adaptar o meu comentário para um post no meu blog =P

Anônimo disse...

A beleza da vida está na procura d'Aquele que pode saciar o nosso coração.
Ele e só Ele tem força para conduzir o rio a mergulhar no mar. Ele conduzir-te-á.
"Coragem e congiança"
e que seja Ele o centro das tuas opções.
Ir. Ana Cristina

Anônimo disse...

Que lindo texto menina bonita....
és tão especial, tão... tu sabes.
é verdade um texto importante e muito mais para ti tu que és a menina das escolhas... e gosto muito da parte em que dizes:
".. Se ate hoje tivesse feito todas as minhas escolhas tendo em vista apenas o meu bem, os meus gostos e a minha felicidade individual, hoje nao era tao feliz!"
é engraçado "hoje não era tão feliz" é bom ver que depois do esforço e de escolheres fazer algo que gostas menos, pelo facto de ser mais importante no teu futuro ou na tua consciÊncia ...como, mais tarde ficarás mais feliz por tê-la realizado e sentes-te mais feliz=)...

**

nunca mudes....

não pares de voar borboleta*

beijinho.
obrigada por tudo.

sofia(abelhinha)